segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Matéria na REVISTA

Surpresa!
Em agosto, participei de uma matéria "Filho de peixe, peixinho é" na REVISTA CIRCUITO de Guarulhos. Agora chegou a vez de participar na REVISTA "SOU MAIS EU" da Editora Abril. A edição é nº 258 - Assunto: CASAIS QUE DISCUTEM.
Não percam, nas bancas.

domingo, 23 de outubro de 2011

Faça a sua parte - Eco 92

Esta menina chama-se Severn Cullis-Suzuki - uma ativista ambiental. Hoje, ela faz palestras pelo mundo todo defendendo NOVOS VALORES AMBIENTAIS.
E você está esperando o quê?

terça-feira, 18 de outubro de 2011

"A paz está chamando"




EVENTO promovido pela UNIPAZ e nós aprovamos. Colaborem!
Detalhes: http://www.unipazsp.org.br/ ou
Procurar por Angélica - Tel: (11) 9549-5789
Email: angelica@unipazsp.org.br

domingo, 16 de outubro de 2011

Reportagem: Revista Época (2008)

FAMÍLIA ABENÇOADA!
Valentina (a nenenzinha) não herdou a deficiência intelectual do pai, Fábio, nem a síndrome de Down da mãe, Gabriela.

Tio, a barriga da Gabriela está dando socos. ”Foi assim, no meio de um bate-papo inocente, que o estudante Fábio Marchete de Moraes, de 28 anos, deixou escapar que ele e a mulher brincavam de “examinar” o ventre dela. Fábio não imaginava que as pancadinhas partiam de uma criança em gestação. Maria Gabriela Andrade Demate, a dona da barriga, também de 28 anos, não fazia idéia de que estava grávida. Embora estivessem juntos havia três anos, dividindo o mesmo teto e a mesma cama, Fábio e Gabriela acreditavam que o sexo entre eles fosse proibido. Seus pais nunca tinham dito, de maneira explícita, que permitiam esse tipo de intimidade. Gabriela tem síndrome de Down. Fábio é deficiente intelectual.

Foi por desconfiar do abdome saliente de Gabriela que o amigo de Fábio procurou a mãe da jovem. “Os dois vêm a minha choperia quase todos os dias e me chamam de tio”, diz Vlademir Cypriano. “Eles me contam coisas que não falam para mais ninguém.” Um teste de farmácia, comprado às pressas, não foi suficiente para eliminar a suspeita. “Mesmo vendo as duas listrinhas do exame, não acreditava que a minha filha estivesse grávida”, afirma Laurinda Ferreira de Andrade. “Levei Gabriela a três ginecologistas e nenhum deu certeza de que ela pudesse ter um bebê. Percebi que estava ficando mais gordinha. Mas achei que fosse por comer demais”. A gestação avançada, descoberta aos seis meses, gerou pânico e encheu a família de dúvidas. Até o nascimento prematuro de Valentina, transcorreram cerca de 60 dias. “Foram os mais longos da minha vida”, diz Laurinda. “Minha filha não tinha feito o pré-natal desde o início, como é recomendado. Por causa da síndrome de Down, ela poderia ter problemas cardíacos. A gravidez era de risco”.

Apesar de o processo de inclusão dos deficientes na sociedade estar distante da perfeição, Gabriela representa uma geração que tem desbravado caminhos. Quando ela nasceu, em 1980, não era comum avistar crianças Downs nos arredores de Socorro – município paulista de 33 mil habitantes fincado na divisa com Minas Gerais, onde Gabriela cresceu – nem pelas ruas de grande parte das cidades brasileiras. “Na hora do parto, perguntei ao médico: ‘Doutor, a minha filha é perfeita?’”, diz Laurinda. “Ele me respondeu: ‘O que é ser perfeita? É ter braços? Pernas? Então ela é perfeita’”.

Embora desconfiassem do diagnóstico, nenhum profissional do hospital revelou à família a deficiência de Gabriela. Afirmaram apenas que ela tinha algum “problema genético”. Ao deixar a maternidade, Laurinda procurou ajuda. “Foi um choque descobrir que a minha filha era Down. O médico me contou da pior forma possível. Disse que ela ia ter um monte de doenças, ter problemas cardíacos e ia morrer. Até que uma amiga me alertou que eu teria de escolher entre fechá-la dentro de casa ou abri-la para o mundo. Vesti a Gabriela com a melhor roupa e saí.”

A desinformação – que em parte se deve aos próprios profissionais de saúde – perpetua um mito que a ciência já derrubou. É raro, mas mulheres Downs podem engravidar. “No mundo todo, há apenas cerca de 30 casos documentados de mulheres Downs que tiveram filhos”, diz Siegfried M. Pueschel, geneticista do Rhode Island Hospital, nos Estados Unidos, um dos maiores estudiosos da síndrome.

Os homens são quase sempre estéreis. Na literatura médica, há só três casos descritos de pais Downs. Com as mulheres é diferente. “Um terço delas é fértil. Um terço ovula irregularmente. E um terço não ovula”, afirma o geneticista Juan Llerena Junior, do Instituto Fernandes Figueira, uma unidade da Fiocruz. “Hoje, os jovens que têm a síndrome estão mais expostos à vida social e ao sexo. Muitos deles trabalham, têm amigos, saem para se divertir. Antes não era assim. Eles ficavam mais reclusos”, diz Pueschel.

A postura positiva de Laurinda, mãe de Gabriela, foi determinante no desenvolvimento da filha. Gabriela deu os primeiros passos sozinha aos 2 anos e 8 meses. Na infância, tinha medo de água e de andar de bicicleta. Afogava-se na piscina, mas pulava de novo até aprender a nadar. Ao andar de bicicleta, caía. Ralava as pernas. Subia de volta e pedalava. Apesar dos hematomas que ganhava nas aulas de judô, lutou para chegar à quarta faixa. Gabriela resistiu aos golpes – e revidou –, a ponto de pendurar uma medalha no peito. Dançou balé. Foi rainha de bateria de escola de samba e tocou tamborim numa ala dominada por homens. Gabriela fica indignada por não dirigir. “Se todo mundo pode, por que eu não posso?”, diz. Em Socorro, cidade do interior paulista onde vive, ela é mais popular que o prefeito. Todo mundo conhece um pouco de sua história.

Solange Azevedo (texto) e Rogério Albuquerque (fotos), de Socorro (SP)
www.revistaepoca.globo.com

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A cientista que curou seu próprio cérebro

A cientista Jill B. Taylor curou seu próprio cérebro. Está como as 100 pessoas mais influentes do mundo. Sua experiência transformou sua vida - O que era um grande "problema" - virou uma lição mundial de amor/cura.

Quem quiser conhecer mais sua história - Leia seu livro, disponível para download na internet.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Mário Sérgio Cortella - O que é espiritualidade?

Mário Sérgio Cortella é Filósofo, Mestre e Doutor em EDUCAÇÃO.

Trecho da entrevista do documentário Somos Um Só. Sobre Espiritualidade...Existência humana. Parceria entre SESC e TV Cultura.



http://www.somos1so.com.br/